Ausência

AUSÊNCIA; qual seu significado?

 Dar-lhes-ei todo o tempo do mundo, para que me respondam um significado ou sinônimo qualquer, do que seria AUSÊNCIA.

Pensaram?

Mesmo sem ter aqui tais respostas, tenho quase absoluta certeza que pensaram, ao menos a princípio, significados tipo “falta de algo”, “não comparecimento” ou “não presença”. Ou, quiçá, sinônimos tais como “inexistência”, “escassez”, “falta”, “privação” e inúmeros outros unívocos.

 Fazem sentido, quando os sentimentos afloram em nosso cotidiano. Procedeu minha suspeita? Se a resposta foi sim, então surpreendo-lhes sobre o avesso desse contexto de eventual “negatividade” da palavra AUSÊNCIA, quando os olhares trazem a positividade.  A AUSÊNCIA de doenças, por exemplo, é legítima positividade, é saúde. A AUSÊNCIA do “tum-tá, tum-tá, tum-tá”, batidas do coração dentro do peito, é um movimento retilíneo uniforme calado, que sequer desejamos, em sã consciência e plenitude. E o tempo do lhufas? O tempo do lhufas, aqui sintetizando AUSÊNCIA, pode dar origem ao ócio fecundo, o que poderia desencadear criatividade, uma das nossas maiores virtudes humanas. Como cada vez mais desejamos esses momentos do lhufas, considerando nossas cotidianas e exaustivas obrigações labutais. AUSÊNCIA de barulho é o sossego, é anseio do todo humano. A arte de reproduzir imagens, por energia radiante, as fotografias, por si só, estão presentes; rememoram, recordam e apresentam as lembranças. A AUSÊNCIA ou o desejo desta, vem depois; isso dependerá do nosso momento de ser, experiências vividas, além dos nossos olhares, percepções, sentimentos e emoções.