top of page

História

Nasci em Vitória da Conquista, centro-sul da Bahia. Convivi desde a infância com a fotografia. Meu avô recebia muitas fotografias de gente desconhecida e lugares diversos, existentes apenas nas imagens. Essas fotografias impressas ficavam amontoadas nas diversas gavetas da estante da sala de estar. Eu não tinha permissão para mexer nelas e foi isso que despertou meu especial interesse pela fotografia: a proibição de tocar, ver e imaginar aquelas pessoas, seus modos de vida, quais histórias existiram para que aquelas imagens estivessem ali. O proibido me conduziu à invenção na fotografia. Embora tenha começado a fotografar apenas em 2016, o universo do arquivo, a ideia de memória, de guardar coisas, de fabular sobre gentes que sequer sei quem são me acompanham desde criança. Hoje entendo essa curiosidade como um fator que constitui uma bifurcação em meu processo criativo: de um lado o desejo por estreitar laços com a vida de outras pessoas, acompanhar seus dias, seus rituais, suas manifestações religiosas e, de outro, usar imagens de arquivos comprados em leilões para supor e fabular outras histórias. Meu imaginário está povoado pelo sertão, suas substâncias, seus seres, suas pessoas e toda a atmosfera existente em seus lugares. E tento, sempre que possível, voltar até lá e reviver os afetos e as lembranças que me atravessam até hoje, seja por pessoas com as quais firmei laços ou com as histórias que inventei pra mim.  

NAYARA RANGEL.jpg
01022024-UVC-DSC_7451.jpg

Sobre

Eu brinco que vim ao mundo a passeio, e é verdade. Tento encarar cada dia com a leveza de quem desfruta de uma jornada repleta de surpresas. Sou otimista, mas também realista, e minha sinceridade às vezes me coloca em situações complicadas. Mas isso faz parte da minha essência.

 

Minhas decisões são práticas e determinadas, sempre buscando simplificar a vida ao máximo. Valorizo muito as amizades antigas, mas também estou sempre aberta a fazer novas conexões, pois cada pessoa traz consigo uma história única e valiosa.

 

Como amiga, sou leal e presente, valorizando cada momento compartilhado. Estou sempre pronta para ouvir e oferecer meu apoio. No fim das contas, é com o coração aberto e a mente inquieta que sigo minha jornada, preparada para tudo o que o universo tem a oferecer.

 

Como uma verdadeira Sagitariana, o movimento e a busca por novos objetivos são essenciais para minha felicidade. A rotina me entedia facilmente, então estou sempre em busca de novos desafios e aprendizados. Encontro minha energia na natureza, especialmente no mar, onde as ondas e a areia molhada me trazem paz e conselhos valiosos.

 

Sou completamente apaixonada por animais, e tenho  tres companheirinhas de quatro patas, são minhas fiéis amigas. E as plantas... ah, minhas preciosas plantas! Minha avó sempre dizia que elas são ótimas conselheiras, então não hesito em compartilhar meus pensamentos com elas. Tenho uma pequena floresta dentro de casa, e cada planta é como um amigo silencioso.

 

Na infância, encontrei refúgio em uma sala repleta de fotografias de estranhos, presentes que meu avô recebia em sua posição na Santa Casa da Misericórdia. Ali, mergulhei em um mundo onde cada rosto desconhecido era um convite para criar minhas próprias histórias. Essa paixão pela arte de contar histórias através de imagens nunca me deixou.

 

Recentemente, redescobri esse prazer ao me apropriar de fotografias, imprimindo nelas minha própria visão e narrativa. É como voltar à infância, onde a magia da criação se mistura com a beleza do desconhecido, dando vida a novas histórias e significados. A fotografia continua sendo meu meio de expressão preferido, onde posso explorar os limites da imaginação e compartilhar minha visão única do mundo.

 

Na arte, encontrei uma forma transformadora de expressão e autoconhecimento. Meu caminho começou na fotografia, e hoje as artes visuais também fazem parte do meu universo criativo, onde posso me desconectar do mundo e me entregar ao processo de criação.

CURRICULUM VITAE

Exposições coletivas

10/2023 - Participou das exposições coletivas: “Labirinto feminino”  Amparo em foco; 09/23 - “fotoprojeção  ChãoSLZ” - projeção de “ninguém tem a promessa do amanhã”;

08/23  - “entreATOS” – MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, com a obra “O Picadeiro” a qual integra o acervo do museu – 2023;  

07/23 - “Festival de Arles ONOFF” projeção de Tudo que Cai na Água voa – 2023;

09/2022 - 49º Salão da Primavera – 2022, Museu de Arte Moderna de Resende (MAM); 

09/2022 - Vento vai vento vem  –  Ateliê Oriente no Paraty em Foco, RJ, no Foto Rio, RJ e no Solar Fotofestival; 

08/2022 - Cotidianos para guardar - Bahia  – Palacete das Artes; 

08/2021 - O Museu de Dona Lina – MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, com a obra “O Picadeiro”, a qual integra o acervo do museu; 

08/2021 - Yê, Yê Omo Ejá - Mãe dos Filhos Peixe – Galeria Eixo ;

02/2021 - Yê, Yê Omo Ejá - Mãe dos Filhos Peixe – Galeria Fragmentos - Espaço Pierre Verger ;

09/2020 - Exposição coletiva 2020 - 2ª edição – Galeria EIXO Arte; 

09/2020 - “Reverberar na Exposição virtual 2020” – Pequeno Encontro da Fotografia;

10/2020 - Exposição coletiva - III convocatória internacional Museu Virtual Mundoarti  "especial navidad", com a obra Reverberar ;

08/2020 - Exposição  Agosto das Artes – 2020, com a obra Reverberar  -  DOC Expõe; 

01/2020 - Salvador do povo, de Lina, de todos os Santos – MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia; 

01/2020 - Cores, Amores, Recantos... Bahia  – MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, 2020 , com a obra “O Picadeiro”, a qual passou a integrar o acervo do museu; 

10/2019 - Baianas: Iê acarajé, iê abará –  Fundação Gregório de Mattos. 

Projeções

"Tudo que cai na água voa" - Fez parte do "Brasil Imprevisto" que foi projetado em Arles na França através do Festival de Fotografia de Paranapiacaba  e Festival de Arles ON/OFF na França.

“Ninguém tem a promessa do amanhã”  - Fotoprojeção Dia Mundial da Fotografia 2023 – ChãoSLZ, através do NUPPI - Núcleo de Pesquisa e Produção de Imagem

Prêmios e Seleções

Teve foto selecionada para  8º convocatória “Imagens para o amanhã”, participando da Exposição Coletiva do Festival de Fotografia de Tiradentes, 2018;  XXI  Bienal da Cor -  Confederação Nacional de Fotografia – CONFOTO, selecionada foto com menção honrosa, 2019

 

Publicações

Co-autoria no Livro ArteGente – SobreGentes Editora, lançado em 2020; 

Co-autoria no Livro  Sotaques Salvador - SobreGentes Editora, lançado em 2021; 

Fotolivro “Ô de casa”, Editora Origem - Lançado em 2021; 

Co-autoria no “Cotidianos para guardar Bahia” – SobreGentes Editora, lançado em 2022; 

Participação na Revista digital A CasaRevista - 3 Edição - Apropiação;

Participação na Revista digital Tramaz -  Edição 178 - "tudo que cai na água voa".

 

Acervo em museu

Em 2019, sua obra “ O picadeiro” foi incorporada ao acervo do MAM-BA.

View Gallery

bottom of page